ONDE ESTÃO OS CINEMAS?

by · julho 17, 2017

Clerisvaldo B. Chagas, 17 de julho de 2017

Escritor Símbolo de Santana do Ipanema

Crônica 1.694

Foto: Lucas Malta / Alagoas na Net

Estamos no mês de julho que celebra festejos à Senhora Santa Ana no mundo inteiro. No Sertão alagoano se inicia a maior festa religiosa do interior que incorporou à sua abertura um desfile de carros de boi. Ano passado – segundo informações de quem viu de perto – havia 1.500 carros puxados a boi, cuja santa seguia no veículo da frente. Esse desfile que se repete em 2017, está com ares de se firmar na tradição. O Parque Izaías Vieira Rego, a três quilômetros da sede, abriga a concentração dos carreiros para o início do desfile. Fica bem perto do riacho João Gomes, afluente do rio Ipanema, lugar de origem do escritor Oscar Silva. Guiados por batedores da Polícia Rodoviária, os carreiros vencem os três quilômetros do asfalto Olho d’Água das Flores – Santana do Ipanema, e ficam no espaço da cidade denominado Ponte do Urubu. Ali é celebrada a missa campal com aspectos diferenciados.

As nove noites de festa acontecem na Matriz de Senhora Santana, fundada em 1787, pelo padre Francisco Correia e o fazendeiro Martinho Rodrigues Gaia. Após a celebração da missa, rolam as atividades profanas com o comércio de vários produtos, jogos de azar, parque de diversões e forrós nas ruas de periferia da festa. A família santanense, espalhada pelo território nacional, aproveita para voltar a terra, rever parentes, amigos e cair nas diversões oferecidas.  E se faltam àquelas gravações do parque oferecidas pelos namorados, também faz falta o cinema Glória da Rua Coronel Lucena.

Após a fase dos cinemas que se extinguiram com a diversão no lar, fruto da televisão casa vez mais aperfeiçoada, ficamos somente com as saudades da tela grande e os namoros quase inocentes do escurinho. E nesses tempos de festa da padroeira, nem as procissões passam mais à frente da casa comercial que ficou no lugar do cine Glória. Algumas poucas cidades do Brasil preservaram essas casas de diversões na íntegra. São motivos de atrações turísticas, visitas de estudantes, trabalhos escolares como forma de preservar a história municipal. No caso de Santana do Ipanema somente ficaram os edifícios para os saudosistas. A história, resumida apenas em livros e crônicas entrecortadas.

Ainda resta a pipoca, não à porta dos antigos prédios, mas dá para fazer em casa imitando o cinema com a televisão.