LUZES ACESAS

by · agosto 11, 2017

Clerisvaldo B. Chagas, 11 de agosto de 2017

Escritor Símbolo do Sertão Alagoano

Crônica 1.712

Trecho 3 do Canal do Sertão (Foto: Secom Alagoas)

Não podemos dizer que vivemos nos tempos de trevas, mas certamente nas décadas dos ladrões de gravatas, da indiferença, da preguiça e da falta de respeito. Os que podem fazer até como obrigação de realizar não honram o código da cristandade preferindo assoberbar-se, morrer com os micróbios do dinheiro público acumulado. E assim vai faltando à verba da merenda para escola, para a creche, para os hospitais, estradas e bem-estar do povo brasileiro. Nos turbilhões dos saques gigantes, hoje em dia raramente surge alguma coisa boa e concreta que revigore as esperanças nacionais. E da mesa grande deles, da ceia larga da corrupção, às vezes escapolem algumas migalhas que enganam a plebe por alguns dias ou por algumas horas. A Justiça quando não é corrompida é lenta demais e quando prende pela manhã liberta à tarde.

Enquanto os jornais noticiam as investidas sucessivas ao dinheiro público, os pobres mortais aguardam uma intervenção militar. Mas mesmo havendo essa intervenção militar muitos ratos ainda escapariam e, do modo como são iriam bajular e procurar refúgio também atrás dos fardamentos. Talvez ficasse até pior, pois os catitas seriam esmagados, mas as ratazanas couro grosso sobreviveriam nos esgotos em que se adaptaram.

Mas deixando a revolta dissertativa, vemos a ideia de cobrir o Canal do Sertão com placar solar, muito boa. Além do fornecimento de energia limpa e barata, a cobertura evitaria o mundo d’água que se perde por evaporação. Por outro lado, não somente o teto de todas as escolas públicas produziriam sua própria energia, como teria que ser obrigatória a energia solar em todos os conjuntos habitacionais, estádios e outras grandes obras, tanto públicas quanto privadas. E por falar em privada de verdade, milhares e milhares de ruas desse País nem privada tem. Por quê? Por causa do primeiro parágrafo acima. Mas, como íamos dizendo, de vez em quando se acendem luzes brancas no “quengo” de alguma autoridade que aproveita o bom humor do momento para fazer alguma coisa pela populaça.  

Aqui em Alagoas não sabemos ainda o preço que pagaríamos pela sugestão que deram, mas cobrir o Canal com placas voltaicas, literalmente, já são algumas luzes acesas com futuro e para o futuro.